Pesquisa

Fazer um intervalo na prestação de cuidados

É importante que todas as pessoas que cuidam diariamente de alguém com Demência façam um intervalo na prestação de cuidados. Aqui pode encontrar informação sobre os benefícios de fazer uma pausa na prestação de cuidados, como organizá-la e onde obter ajuda.

Para as famílias de cuidadores é importante fazer um intervalo
Cuidar de alguém com Demência pode ser cansativo (física e emocionalmente) e uma enorme fonte de stress. As famílias e os cuidadores podem, facilmente, ficar isolados de contactos sociais, particularmente se não tiverem oportunidade de deixar a pessoa de quem cuidam.

As pausas regulares são uma oportunidade para descansar, sair, tratar dos seus assuntos ou ir de férias.

Para a pessoa com Demência é importante fazer um intervalo
A maioria das pessoas faz intervalos, por exemplo para se dedicarem a passatempos que apreciam, passarem um fim de semana fora ou irem de férias. Isto permite-lhes continuar a ansiar por alguma coisa e terem experiências para recordar. Pelos mesmos motivos, as pausas são importantes para as pessoas com Demência, permitindo-lhes a oportunidade de socializar, conhecer outras pessoas e habituarem-se a que outras pessoas prestem apoio e cuidem de si.

O que impede as famílias e os cuidadores de fazerem um intervalo?
  • Colocarem o seu bem-estar em último lugar;
  • Sentir que não merecem fazer o intervalo;
  • Não terem conhecimento dos apoios disponíveis ou de como obter ajuda para organizar o intervalo;
  • Estarem demasiado cansados para organizarem o intervalo;
  • Desejarem o intervalo, mas a pessoa de quem cuidam não o querer;
  • Sentir que toda a organização vai dar muito trabalho;
  • Acreditarem que são responsáveis por prestar os cuidados à pessoa durante todo o tempo;

Como fazer um intervalo
Existem muitas maneiras de fazer um intervalo. Tudo irá depender daquilo que lhe convém a si e à sua família. Os intervalos podem ser:
  • Um tempo para a pessoa com Demência divertir-se com experiências novas ou conhecidas;
  • Um tempo para relaxar e ?recarregar? da forma que mais lhe convir;
  • Passarem algum tempo juntos, afastados das rotinas habituais
Talvez outros familiares e amigos estejam dispostos a ajudá-lo a realizar um intervalo na prestação de cuidados. Muitas vezes basta pedir-lhes.

O intervalo também pode ser feito nos centros de dia, através da participação da pessoa com Demência em atividades de grupo. Alguns centros disponibilizam atividades específicas para pessoas com Demência. Nos centros de dia, o tempo dos cuidados prestados à pessoa pode variar entre algumas horas e vários dias por semana. Alguns centros disponibilizam, ainda, cuidados em horas extra, fins-de-semana e a possibilidade da pessoa dormir no centro.

Outra forma de fazer um intervalo é ter um cuidador formal que venha a casa, de forma a permitir que seja possível, para si, fazer coisas fora desta. O cuidador formal também pode acompanhar a pessoa, para esta fazer uma atividade que aprecia fora de casa. Este tipo de prestação de cuidados chama-se cuidados domiciliários.

A prestação de cuidados (por cuidadores formais) também pode ser utilizada numa emergência, ou durante um período de tempo mais longo, num lar residencial.

Planear o intervalo para que seja uma experiência positiva
É frequente as pessoas com Demência sentirem-se perturbadas em novos ambientes e junto de pessoas desconhecidas. Por esta razão, é importante planear o intervalo para que a experiência seja positiva.
Para muitas famílias e cuidadores foi útil começar a utilizar os serviços de prestação de cuidados o mais cedo possível, para que todos se habituassem a partilhar os cuidados à pessoa com Demência. Geralmente, é melhor começar por intervalos mais pequenos e aumentar progressivamente para intervalos maiores.

Melhor que ninguém, saberá qual é a melhor altura para informar a pessoa com Demência que vai realizar um intervalo. Tranquilize a pessoa, caso esteja ansiosa e demonstre que se sente positivo sobre o intervalo, mesmo que também se sinta um pouco ansioso.

Pode ser útil falar com outras famílias e cuidadores no sentido de saber o que fizeram para tornar os serviços de prestação de cuidados numa experiência agradável e obter algumas ideias práticas para lidar com a situação.

Se tiver algumas preocupações sobre o acesso aos serviços de prestação de cuidados contacte a Alzheimer Portugal.

Quem pode ajudar?
A Alzheimer Portugal fornece apoio, informação, formação e aconselhamento.

Adaptado de Alzheimer Australia