Pesquisa

Cuide de Si


10 Passos para se tornar um cuidador mais saudável


Sente-se sobrecarregado por cuidar de outra pessoa ao ponto de negligenciar o seu bem-estar físico, mental e emocional? 
Se não arranjar tempo para cuidar de si e das suas necessidades, pode estar a colocar a sua vida saúde em risco.


Identifique Alterações o mais cedo Possível


Os sintomas da demência manifestam-se gradualmente. 
Sempre que detetar alterações significativas na memória, no humor ou no comportamento da pessoa, fale com o seu médico. Não adie, alguns sintomas podem ser controlados.


Conheças os Recursos Disponíveis na Comunidade


Informe-se sobre os apoios, serviços e equipamentos existentes na comunidade. Centros de Dia e apoio domiciliário são algumas das respostas que podem ajudá-lo na prestação de cuidados  e na realização das tarefas do dia-a-dia. 


Esteja informado


À medida que a doença vai progredindo, poderá ser necessário adquirir conhecimentos e competências específicas para enfrentar os desafios que vão surgindo. Procure participar em workshops e outras ações de formação, com conteúdos específicos e diversificados, que o possam ajudar a compreender e a lidar melhor com as alterações  do comportamento e da personalidade que acompanham a doença.


Procure Ajuda


Tentar fazer tudo sozinho pode conduzi-lo à exaustão. Procure o apoio da família, dos amigos e dos recursos disponíveis na comunidade. As linhas telefónicas de atendimento e apoio e os grupos de suporte são alguns dos recursos que o podem ajudar a encontrar conforto e segurança. Se o stress se tornar incapacitante, procure ajuda profissional.


Cuide de Si


Esteja atento à sua dieta alimentar, faça exercício físico e repouse o mais possível. Vigiar a sua saúde fará de si um melhor cuidador.


Controle o seu Nível de Stress

 
O stress pode conduzir a perturbações de ordem física (visão turva, distúrbios gastrointestinais, pressão arterial elevada) e alterações de comportamento (irritabilidade, falta de concentração, alterações no apetite). Esteja atento aos seus sintomas. Recorra a técnicas de relaxamento que o façam sentir melhor e fale com o seu médico.
Aceite a Evolução da Doença

As necessidades da pessoa com demência sofrem alterações ao longo do tempo e com a evolução da doença. As exigências poderão ultrapassar a sua capacidade de resposta. Conhecer os recursos da comunidade - Centros de Dia, Serviços de Apoio Domiciliário e Lares - pode facilitar a decisão de dividir a prestação dos cuidados com terceiros


Tome decisões de natureza Jurídica e/ou Financeiras


Planeie o futuro com antecedência. Conheça os seus direitos e os da pessoa com demência, assim como os procedimentos legais a adotar após o diagnóstico e no decurso da doença. Envolva, sempre que possível, a pessoa com demência e os familiares mais próximos.


Valorize-se e não se culpe


Lembre-se que os seus cuidados fazem a diferença e que está a fazer o melhor que pode. Não se culpabilize por não conseguir fazer tudo sozinho. Ainda que os cuidados possam já não ser prestados por sí, com a progressão da doença pode continuar a assegurar-se que a pessoa é bem tratada e se sente se segura.


Fale com o seu Médico regularmente


Arranje tempo para si, faça exames de rotina com regularidade e oiça aquilo que o seu corpo lhe diz. Tenha em atenção a exaustão, o estresse, as perturbações de sono e as alterações do apetite e de comportamento.
Ignorar estes sintomas pode afetar gravemente a sua saúde fisíca e mental.



O cuidador em Stress


10 Sinais de Alerta


        1.    Negação acerca da doença, da sua evolução e dos seus efeitos na pessoa diagnosticada.
             “ Eu sei que a minha mãe vai melhorar.”

        2.    Raiva  em relação à pessoa com demência ou outras pessoas, raiva por não existir uma cura ou
                  pela falta de compreensão dos outros.
                 “ Se ele perguntar novamente a mesma coisa, grito!”

        3.      Isolamento Social afastamento dos amigos e perda de interesse em atividades que antes
                 gostava de fazer.
                 “ Já não me apetece conviver com ninguém”

        4.      Ansiedade por ter de enfrentar mais um dia em relação ao futuro.
                “ O que vai acontecer quando ele precisar de mais cuidados do que aqueles que eu lhe 
                posso dar? ”
 
        5.      Depressão que afeta o bem estar e a capacidade de lidar com os desafios do dia-a.dia. 
                “ Já não quero saber. Tanto faz.”


        6.      Exaustão sensação de que parece impossível realizar as tarefas diárias necessárias.
                 “ Estou demasiada cansada para isto. ”

       7.      Insónias causadas por uma lista interminável de preocupações.
                 “ E se durante a noite ele se levanta e cai? ”

       8.      Irritabilidade que se se traduz em mau humor e provoca respostas e reações negativas.
                 “ Deixem me em paz! ”

       9.      Falta de concentração que prejudica atividades do dia-a-dia
                 “ Tenho andado tão ocupada que me esqueci que tinha um compromisso ”

       10.    Problemas de saúde que começam a comprometer o bem-estar físico e psicológico.
                 “ Não me lembro da última vez que me senti bem.”