Pesquisa

Conversar com o seu médico

Se lhe foi diagnosticada Demência, aqui pode encontrar ajuda sobre formas de conversar com o seu médico, de maneira a assegurar que obtém os cuidados de saúde, aconselhamento e apoio que deseja.

Se tiver demência, é muito provável que contacte com uma série de médicos e profissionais de saúde. Os seus familiares ou outras pessoas próximas, também poderão estar envolvidos nestes contactos.

Durante o processo de diagnóstico ou de avaliação da perda de memória, irá ter contacto com médicos especialistas. No entanto, a longo prazo, o médico de família é, geralmente, o profissional de saúde que acompanhará os cuidados de saúde continuados. Isto significa que é fundamental existir um bom relacionamento do seu médico consigo e com a sua família.

Por onde começar
Uma forma de encarar trabalhar com os médicos será olhar para si, para o seu médico e para a sua família como membros de uma equipa, cujo objetivo é que lhe sejam prestados os melhores cuidados possíveis.

Os médicos não podem falar sobre os seus pacientes, sem o consentimento destes. Se solicitar ao seu médico que não transmita qualquer informação aos seus familiares, ele deve respeitá-lo.

No entanto, a maioria das pessoas quer conversar sobre a sua doença com alguém que lhes é próximo. Conversar com o médico conjuntamente com alguém próximo de si é geralmente a melhor maneira de o fazer.

Um bom médico para si e para a sua família é aquele que:
  • É uma fonte disponível de conselho e apoio;
  • Escuta-o a si e às suas opiniões;
  • Explica as coisas por palavras que são compreendidas por si;
  • Demora o tempo que for necessário para responder às suas questões;
  • Fá-lo sentir-se confortável;
  • Respeita-o a si e aos seus familiares

 

O que pode tentar

  • Comunicar
A comunicação é um processo bidirecional. Por isso, precisa de dar conhecimento ao seu médico daquilo que deseja. Se não compreender o que lhe está a ser dito, solicite que seja explicado de uma outra maneira.

Deverá poder falar livremente com qualquer médico e ser assegurado de que todas as conversas são confidenciais.

  • Obter as informações de que necessita
Fazer uma lista de questões a colocar ao médico,é útil para algumas pessoas. Tome notas do que o seu médico diz ou peça-lhe para escrevê-las de modo a que possa consultá-las mais tarde. Considere a possibilidade de levar alguém consigo que possa fazer as perguntas ou anotar as respostas.

  • Manter o registo das conversas com os médicos
Organizar uma pasta com as notas retiradas das suas conversas com os médicos ou outros profissionais, registando o que foi dito e quando, é útil para muitas pessoas. Às vezes pode sentir que falou com tantas pessoas que já não consegue lembrar-se dos detalhes do que foi discutido e com quem.

  • Escolher a melhor altura
Marque as suas consultas num horário adequado. Se o início da manhã ou fim de tarde forem alturas complicadas para si, evite marcar as consultas nestes períodos. Solicite uma consulta mais longa se sentir essa necessidade.

  • Falar por si próprio
Por vezes não é fácil obter a informação que necessita. Esteja preparado para procurar até encontrar um médico que atenda às suas necessidades. Falar com outras pessoas sobre as experiências destas com os médicos pode ser uma ajuda.

  • Encaminhamento
A maioria dos médicos realiza o encaminhamento para um grupo de especialistas com quem mantém um contacto próximo. No entanto, poderá solicitar ao seu médico uma consulta para o especialista que desejar. Poderá também pedir para ser reencaminhado a um especialista, caso considere que as suas circunstâncias mudaram.

  • Os seus direitos
É importante ajudar o seu médico a entender a sua vivência da Demência. Tem o direito de mudar de médico caso considere que este não satisfaz as suas necessidades.

Adaptado de Alzheimer Australia