Pesquisa

Plano de Ação para 2015


Descarregue aqui o Plano de Ação para 2015 da Alzheimer Portugal.

NOTA EXPLICATIVA

A APFADA tem apresentado um modelo de orçamento que procura responder às necessidades de informação dos associados e adaptar-se às novas situações que a Associação enfrenta.

Com efeito, nos últimos anos, alguns factos tiveram implicações nas demonstrações financeiras apresentadas, com consequências ao nível da sua compreensão e comparabilidade.

1) A conclusão do projecto da Casa do Alecrim teve como consequência que o activo correspondente ao imóvel iniciasse um processo de amortização e depreciação contabilística, correspondente ao uso do imóvel, o qual tem impactos no resultado líquido apresentado pela Associação, reduzindo-o, sem que isso corresponda a uma verdadeira despesa, uma vez que não existe nenhuma saída de fundos como contrapartida desse custo contabilístico;

2) Em 2015, o início do programa de amortização do empréstimo bancário obriga a que, no Orçamento, além de se atentar no resultado líquido e no EBITDA, que provém das operações (rendimentos e gastos com a actividade) da Associação, se leve em consideração essa obrigação que necessariamente afecta as disponibilidades finais.

No Orçamento apresentado e aprovado para o exercício de 2014, foi introduzida uma rubrica com o conceito de EBITDA (resultados líquidos acrescidos do valor dos encargos financeiros e amortizações/depreciações contabilísticas) que procurou responder e explicitar o efeito do ponto 1), que obviamente se mantém para o próximo exercício de 2015. No Orçamento para o próximo exercício de 2015, procurou-se identificar as amortizações de capital do empréstimo, nos termos do ponto 2) anterior, razão pela qual se introduziu uma linha final «Resultado sem depreciações mas com amortizações de capital».

A explicitação destas ocorrências, que a Associação considera ser indispensável comunicar para efeitos de maior transparência e melhor qualidade da informação, poderia ser efectuada através do recurso a mapas oficiais complementares. No entanto, optou-se por adaptar o modelo de orçamento, no sentido de tornar mais fácil a compreensão destes fenómenos e não complexificar mais do que o necessário o esforço de leitura e compreensão do mesmo.