Pesquisa

Demência Precoce

Demência é o termo utilizado para descrever os sintomas de um grande grupo de doenças que causam um declínio progressivo no funcionamento mental da pessoa. É um termo abrangente que descreve a perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais. O termo Demência precoce é geralmente utilizado para descrever qualquer forma de demência diagnosticada em pessoas com idade inferior a 65 anos.

Embora a maioria das Demências afete pessoas idosas, ocasionalmente, pessoas mais jovens são diagnosticadas com Demência. A Demência tem sido diagnosticada em pessoas na faixa dos 50, 40 e até mesmo dos 30 anos.

A Demência em pessoas mais jovens é muito menos comum do que a Demência que ocorre após os 65 anos. Por esta razão, pode ser difícil fazer o seu diagnóstico e a sua incidência na população ainda não é clara.

Um diagnóstico correto é importante

É crítico numa fase inicial consultar um médico para obter um diagnóstico. Uma avaliação médica e psicológica completa pode identificar uma doença tratável ou pode confirmar a presença de Demência.

A avaliação pode incluir a realização de:
  • Uma história clínica detalhada, se possível, fornecida pela pessoa que apresenta a sintomatologia e por um familiar ou amigo próximo. A história clínica irá permitir estabelecer se os sintomas surgiram lenta ou subitamente e qual a sua progressão;
  • Um exame físico e neurológico aprofundado, incluindo testes dos sentidos e movimentos, de forma a excluir outras doenças e a identificar quaisquer outras situações que possam agravar a confusão Exames laboratoriais, que incluem uma variedade de análises ao sangue e à urina, para despistarem qualquer doença responsável pelos sintomas. O médico poderá fazer o despiste de Demência. Outros exames especializados, como por exemplo: Raio X, Electroencéfalograma (EEG), Tomografia Axial Computorizada (TAC), Análises do Líquido Raquidiano ou Ressonância Magnética;
  • Um exame do estado mental para avaliar as funções intelectuais que podem ser afetadas pela Demência, como por exemplo a memória, capacidades de leitura, escrita e cálculo;
  • Uma avaliação psiquiátrica para identificar perturbações tratáveis que podem mimetizar a Demência, como por exemplo a depressão, e monitorizar os sintomas psiquiátricos que podem ocorrer juntamente com a Demência, por exemplo ansiedade e delírios;
  • Um exame neuro psicológico para identificar as capacidades conservadas e avaliar áreas problemáticas, por exemplo a compreensão e o discernimento

As necessidades das pessoas com Demência precoce são diferentes?
Uma pessoa com Demência precoce vai necessitar de uma consideração extra, uma vez que a Demência aparece mais cedo na sua vida, numa fase em que provavelmente está mais ativa física e socialmente.

Na altura do diagnóstico a pessoa pode:
  • Ter um emprego a tempo inteiro;
  • Estar a criar uma família;
  • Ser financeiramente responsável pela família;
  • Ser fisicamente forte e saudável
As alterações do comportamento associadas à Demência podem ser mais difíceis de aceitar e de controlar numa pessoa mais jovem.
Para o membro da família que está a cuidar de alguém com Demência precoce, existem uma série de questões que podem surgir:

  • Perda
O sentimento de perda pode ser enorme, quer para a pessoa com Demência precoce, quer para a sua família. A perda não planeada do rendimento, caso a pessoa com Demência auferisse um rendimento, pode constituir um grande problema para a família. Isto pode ser agravado pela perda da autoestima (associada ao trabalho) e de um propósito na vida. Os planos de futuro, talvez de fazer uma viagem ou passar tempo com filhos ou netos, poderão não ser viáveis.

  • Alterações
Os prestadores de cuidados que são cônjuges podem ter a responsabilidade acrescida de cuidar da pessoa com Demência, bem como de criar os filhos e gerir as finanças. Às vezes, as famílias e os cuidadores têm de reduzir o horário ou deixar de trabalhar para cuidar da pessoa com Demência. Estas alterações podem ser significativas e, geralmente, não são desejadas.

  • Atitudes
Uma dificuldade adicional pode ser a atitude das outras pessoas. Pode ser difícil aceitar que uma pessoa mais jovem tenha Demência, particularmente quando não se conseguem ver alterações físicas óbvias. Pode parecer que mais ninguém na família ou na faixa etária do cuidador compreende o que está acontecer. A maioria das pessoas afetadas pela doença descobre que os amigos têm tendência a afastar-se à medida que a Demência progride, sendo que os amigos de uma pessoa mais nova podem afastar-se ainda mais cedo.

  • Crianças
As crianças podem reagir de forma diferente à doença, mas são suscetíveis a ter reações fortes. Numa altura em que estão a tentar lidar com o seu crescimento, têm também de lidar com um membro da família que está doente.

As crianças podem tornar-se irritadas e isoladas. Alguns jovens podem ter dificuldade em falar com os pais, por não quererem preocupá-los ou por terem receio que eles fiquem tristes ou, ainda, de serem um fardo adicional. Os jovens podem preferir falar com pessoas da sua idade ou com um conselheiro.

Informação baseada em Early onset of Alzheimer?s disease (Doença de Alzheimer de inicio precoce), Departamento da Saúde e Serviços da Família.

Lembre-se
Não está sozinho. A Alzheimer Portugal pode colocar as famílias e os cuidadores em contacto com outras famílias e outros cuidadores de pessoas com Demência precoce e fornecer contactos para grupos de apoio. Contacte a Alzheimer Portugal para a Sede ou Delegação mais próxima da sua área de residência.

Adaptado de Alzheimer Australia