A nível nacional, são escassas as ofertas dos museus concebidas especificamente para as Pessoas com Demência e seus Cuidadores, salientando-se a ação pioneira do programa EU no musEU, criado em 2011 pelo Museu Nacional de Machado de Castro, em parceria com a Alzheimer Portugal.

Neste sentido, entendeu-se ser fundamental criar uma rede nacional de museus para a inclusão na demência, no sentido de desenvolver e partilhar boas práticas, capacitar as equipas das instituições culturais e consciencializar a comunidade para o tema das demências, cada vez mais relevante do ponto de vista social e da saúde pública.

São doze as entidades que constituem os membros fundadores da rede informal – Museus para a Inclusão na Demência (MID): Acesso Cultura, Alzheimer Portugal, Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Museu Calouste Gulbenkian, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, Museu de Lisboa – EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural), Museu Municipal de Pombal, Museu Nacional Grão Vasco – DGPC (Direção – Geral do Património Cultural), Museu Nacional de Machado de Castro – DGPC e Museu Tesouro da Misericórdia de Viseu – SCMV (Santa Casa da Misericórdia de Viseu).

Esta rede tem como objetivos gerais contribuir para aumentar a autonomia, o bem-estar, a dignidade, a participação social e cultural, assim como a qualidade de vida das Pessoas com Demência e dos seus Cuidadores; consciencializar as equipas das instituições culturais para a necessidade de criar respostas específicas para as Pessoas com Demência e seus Cuidadores e capacitar as equipas como verdadeiros agentes de mudança, tendo em vista contribuir para uma sociedade mais inclusiva, diminuindo o estigma associado à demência.

Saiba mais sobre a Rede MID aqui